Pular para o conteúdo

Se reeleito, presidente da Turquia promete manter corte de juros para conter inflação

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, prometeu continuar com sua política pouco ortodoxa de cortar as taxas de juros para reduzir a inflação alta se for reeleito em 28 de maio.“Por favor, siga-me após as eleições e você verá que a inflação cairá junto com as taxas de juros”, disse ele a Becky Anderson, da CNN, em uma entrevista exclusiva na quinta-feira.Questionado se isso significava que não haveria mudança na política econômica, ele respondeu: “Sim. Absolutamente.”Erdogan, que está tentando estender seu governo de 20 anos, falhou em garantir 50% dos votos na corrida presidencial da Turquia no último domingo (14). A eleição irá para segundo turno no final do mês.Mas ele teve um desempenho melhor do que as pesquisas de opinião previam, derrubando as ações turcas na segunda-feira (15) e levando o valor da moeda a um novo recorde de baixa em relação ao dólar americano.A lira turca caiu mais de 40% no ano passado, com as políticas econômicas de Erdogan alimentando um salto na inflação. Enquanto os banqueiros centrais da maioria das maiores economias do mundo têm aumentado as taxas rapidamente para controlar o aumento dos preços, a Turquia tem feito o oposto.“Tenho uma tese de que juros e inflação estão diretamente correlacionados. Quanto mais baixas as taxas de juros, menor será a inflação”, disse Erdogan à CNN.“Neste país, a taxa de inflação cairá junto com as taxas de juros, de modo que chegaremos a um ponto em que as pessoas ficarão aliviadas. Digo isso falando como economista. Isso não é uma ilusão.” Preços crescentesNo final de 2021, quando os aumentos de preços começaram a acelerar em todo o mundo, Erdogan ordenou que o banco central da Turquia reduzisse as taxas de juros.A taxa anual de inflação dos preços ao consumidor atingiu 85% em outubro passado, antes de desacelerar para 44% em abril, segundo dados do Instituto de Estatística da Turquia.“A exibição inesperadamente forte do presidente Erdogan nas eleições presidenciais da Turquia no domingo significa que um retorno à política ortodoxa parece mais distante do que nunca”, disse James Reilly, economista assistente da Capital Economics, em nota na segunda-feira (15).“Como consequência, a lira turca parece destinada a permanecer sob forte pressão este ano.”Uma provável vitória de Erdogan em 28 de maio levaria à continuação de baixas taxas de juros e alta inflação, acrescentou.Os aumentos descontrolados dos preços estão prejudicando os consumidores turcos e a economia em geral no momento em que o país luta para se recuperar de um terremoto devastador em fevereiro.O desastre matou pelo menos 45 mil pessoas, deixou milhões de desabrigados e causou danos imediatos estimados em US$ 34 bilhões – ou cerca de 4% da produção econômica anual do país, segundo o Banco Mundial.“A Turquia precisará conter a inflação, salvaguardar a estabilidade financeira e colocar a economia no caminho do crescimento sustentável, independentemente dos resultados das eleições”, observaram analistas do JPMorgan na segunda-feira, acrescentando que as perspectivas para o país dependeriam da extensão para o qual mudou de volta para o mainstream econômico.“Se as políticas mudarem para uma maior ortodoxia, o processo de desinflação será mais rápido.”Erdogan dobrou sua mensagem otimista. Ele observou que o produto interno bruto do país, ou PIB, per capita, que mede a prosperidade nacional, subiu de “cerca de US$ 3.600” para US$ 10.650 “no momento”. “E esse número deve chegar a US$ 15.000 nos próximos meses”, acrescentou.O PIB per capita da Turquia era de US$ 3.641 em 2002, um ano antes de Erdogan se tornar primeiro-ministro, e chegou a US$ 9.661 em 2021, segundo os dados mais recentes do Banco Mundial.Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.versão original Compartilhe: