Pular para o conteúdo

Recessão nos EUA provavelmente está chegando, alertam especialistas

Muitos investidores estão se perguntando sobre uma possível recessão nos Estados Unidos. Jake Jolly, chefe de análise de investimentos da BNY Mellon Investment Management, delineou três cenários possíveis, cada um considerando o impacto da crise bancária, a “rigidez” da inflação e a trajetória de aumentos de juros pelo Federal Reserve.A cada ano, Jolly e sua equipe debatem cenários para o futuro da economia. Após chegarem a um acordo sobre o que poderia acontecer, eles agregam e criam gráficos que mostram o equilíbrio de riscos entre variáveis ​​econômicas e métricas financeiras.Por meio de uma combinação de suas próprias visões subjetivas, juntamente com análises de mercado quantitativas e qualitativas e alguma perspectiva histórica, eles tentaram limpar algumas das nuvens que tornam tão incerto o que vem a seguir para a economia.Duas coisas são muito aparentes, Jolly disse à CNN: “Uma recessão, mais cedo ou mais tarde, continua sendo mais provável do que não” e “a perspectiva de longo prazo, pós-abalo, permanece relativamente positiva para as ações – só temos que superar uma redefinição volátil primeiro.”Aqui estão os três cenários possíveis – e as probabilidades de que eles aconteçam – que a equipe de Jolly mapeou: Cenário 1: A crise de crédito — 50% de probabilidadeCertamente não é o melhor cenário.Isso imagina o que aconteceria se o Federal Reserve aumentasse as taxas de juros duas ou até três vezes mais, enquanto a turbulência bancária nos Estados Unidos e na Europa causava um aperto significativo nas condições de crédito.Isso catapultaria os Estados Unidos para a recessão durante o segundo semestre de 2023 (a Europa e o Reino Unido sentirão isso ainda mais cedo). O mercado de trabalho aquecido se afrouxaria rapidamente e as demissões seriam generalizadas.A reabertura pós-Covid da China impulsionou a economia global. Mas isso seria rapidamente frustrado pela recessão. “Se os EUA espirram, o mundo pega um resfriado”, disse Jolly.Cenário 2: pouso atrasado – 30% de probabilidadeNesse cenário, os principais bancos centrais globais interrompem seus aumentos de juros em resposta à crise bancária. Os mercados de trabalho permanecem excepcionalmente apertados e o crescimento dos salários reacelera, aumentando os níveis de inflação persistentes.A reabertura da China, entretanto, acaba sendo inflacionária para os produtos básicos.À medida que a inflação cresce novamente, os bancos centrais são forçados a aumentar ainda mais as taxas, levando os Estados Unidos à recessão no segundo semestre de 2024.Cenário 3: Aterrissagem Suave – 20% de probabilidadeEsse seria o cenário ideal e, segundo Jolly, o menos provável.A inflação continua caindo sem muita necessidade de aperto do Fed, e as taxas de juros atingem um pico de 5%. A perda de empregos é mínima, pois o crescimento dos salários desacelera junto com a inflação.A reabertura da China tem efeitos colaterais positivos e é, no geral, desinflacionária para os principais produtos.“Este é um ciclo de negócios desafiador para ler”, disse Jolly. “Existem dinâmicas no mundo pós-Covid que são estranhas: o mercado de trabalho não está se comportando da maneira que esperávamos neste momento. É possível que a economia veja a desinflação de uma forma que não viu nos ciclos anteriores.”Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.versão original Compartilhe: