Pular para o conteúdo

por que Wall Street ainda está avessa aos bancos

Um resumo de onde as coisas estão na crise bancária: O Fed, banco central dos Estados Unidos, diz que “Os bancos estão bem”. O mesmo é dito pelo Tesouro americano. Os próprios bancos dizem que está tudo bem. Mas, em Wall Street, a fala é “Todo mundo vende, os bancos estão pegando fogo!”Quando o Silicon Valley Bank desmoronou em 10 de março, foi um problema do Main Street – depositantes assustados correram para sacar seu dinheiro e o banco ficou sem dinheiro. Uma corrida bancária clássica.Sete semanas depois, apesar da intervenção do governo para proteger os depositantes e conceder crédito aos bancos, o pânico se enraizou em Wall Street, que agora se alimenta de sua própria ansiedade.“Estamos vendo muita preocupação aqui de que algo está prestes a quebrar”, disse Ed Moya, analista sênior de mercado da Oanda. “Esse medo de contágio não diminuiu de forma alguma.”Como uma corrida bancária no Main Street infecta Wall StreetDepois que o First Republic se tornou na segunda-feira (1º) o terceiro credor dos EUA a falir este ano, os investidores mudaram sua angústia para o PacWest Bancorp, outro credor regional da Califórnia, cujo preço das ações caiu pela metade na quinta-feira (4) depois de confirmar que estava “explorando opções estratégicas” (leia-se: procurando um comprador).A Western Alliance também estava fraca na quinta-feira, depois que o Financial Times informou que o banco estava explorando uma venda. O credor do Arizona negou o relatório, ajudando suas ações a reduzir algumas perdas. Ainda caiu 33% ao meio-dia em Nova York e perdeu mais de 65% de seu valor este ano.Da mesma forma, o banco regional First Horizon estava oscilando, tendo descartado uma fusão de US$ 13 bilhões com o banco TD do Canadá.Embora esta última safra de bancos regionais tenha algumas semelhanças com os três que faliram este ano, eles não parecem ter a mesma dependência de depósitos não garantidos que colocaram os outros em apuros.O PacWest informou na quinta-feira que os saques diminuíram e que 75% de seus depósitos estavam garantidos e o banco continuava cheio de dinheiro.“O banco não experimentou fluxos de depósitos fora do comum após a venda do First Republic Bank e outras notícias”, afirmou a instituição. “Nosso caixa e liquidez disponível permanecem sólidos e excederam nossos depósitos não segurados, representando 188%.”Em tempos normais, esses números podem ter aliviado os temores dos investidores, disse Moya. Mas estes não são tempos normais.“Mesmo que os números não pareçam tão ruins, uma vez que o mercado está de olho em você, o jogo acaba”, disse ele.Esse pessimismo do mercado foi repetido por Bill Ackman, o investidor bilionário, que tuitou na quinta-feira que os bancos regionais, em geral, estão com problemas.“A confiança em uma instituição financeira é construída ao longo de décadas e destruída em dias”, escreveu ele. “À medida que cada dominó cai, o próximo banco mais fraco começa a oscilar.”Qual é a solução?Ackman e outros têm defendido que o governo intervenha e levante o limite do seguro de depósito, que atualmente chega a US$ 250.000 – uma fração do que algumas empresas devem manter em seus saldos para executar suas operações diárias.Mas tal mudança exigiria apoio bipartidário no Congresso. E nenhum participante racional do mercado está preocupado com isso isso.Os bancos também estão enfrentando uma possível recessão e mais aumentos nas taxas de juros do Fed. Mas uma gigantesca barreira psicológica poderia ser superada se os Estados Unidos aliviassem sua crise do teto da dívida.No início da semana, a secretária do Tesouro, Janet Yellen, alertou que o governo atingiria o teto da dívida por volta de 1º de junho, a menos que o Congresso aumentasse sua autoridade de empréstimo. É difícil exagerar o quão catastrófico seria o resultado da inadimplência – pense no colapso financeiro global de 2008, ou possivelmente pior.O teto da dívida é a maior questão agora para os mercados.“É uma probabilidade de 90% de não entrarmos em default? Sim. Mas considerando os jogadores envolvidos, ainda estou preocupado”, disse Moya.Como tudo isso termina?Sem um milagre, as perspectivas para os bancos regionais não são boas.Há tanto pessimismo se infiltrando em Wall Street que os bancos menores serão esmagados. O PacWest não está sofrendo porque fez apostas ruins ou administrou mal sua empresa – é apenas o próximo na lista, dizem os analistas.Estripar bancos regionais teria enormes implicações para a economia dos EUA, já que essas operações menores tendem a oferecer às empresas conhecimentos específicos do setor que não podem obter de players poderosos de Wall Street, como JPMorgan Chase ou Bank of America.A consolidação é particularmente arriscada neste momento nos Estados Unidos, quando o governo Biden está tentando fortalecer as cadeias de produção e suprimentos domésticos.“Estamos tentando reviver os setores produtivos da economia, em oposição aos setores financeirizados da economia”, disse Robert Hockett, professor de Direito e especialista em finanças públicas da Cornell University. “E no centro de tudo isso está o setor bancário regional. Os bancos de Wall Street estão muito mais focados na economia global, muito mais focados em especulações de vários tipos.”Essa especificidade do setor, observa Hockett, cria o dilema que estamos vendo agora: quase por definição, esses credores especializados não são tão diversificados em suas participações. Muitos se abasteceram de títulos do Tesouro, que, ironicamente, “são os investimentos mais enfadonhos possíveis”.Outro problema: quem quer comprar um banco em dificuldades, mesmo com desconto, se você pode comprá-lo por centavos de dólar depois que ele quebrar – completo com uma garantia contra perdas, apoiada pelo Tio Sam?Isso significa que podemos esperar mais falências de bancos e mais pânico em Wall Street nas próximas semanas e meses.Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.versão original Compartilhe: