Pular para o conteúdo

Por que os EUA precisam de bancos regionais mesmo com grandes instituições no país

Para alguns, a questão de onde guardar seu dinheiro pode parecer óbvia – com os bancos que foram considerados “grandes demais para falir”. Seus caixas eletrônicos e agências são onipresentes, seus aplicativos móveis são elegantes e fáceis de usar.Essa é uma decisão perfeitamente racional para a maioria das pessoas que só precisam de um lugar para depositar seus contracheques e, ocasionalmente, sacar dinheiro.Mas esses megabancos carecem da destreza e especialização regional que as pequenas empresas almejam, o que é em parte o motivo pelo qual as companhias dos EUA e os formuladores de políticas estão preocupados com a turbulência contínua entre os bancos regionais.Em apenas dois meses, uma centelha de pânico se transformou em uma conflagração que colocou os bancos regionais americanos em alerta. Três credores – First Republic, Silicon Valley Bank e Signature – faliram. Eles representam, pela ordem, a segunda, terceira e quarta maiores falências de bancos na história dos Estados Unidos.Nesta semana, Wall Street voltou seu foco para a PacWest , outra região da Costa Oeste de porte médio semelhante, depois de revelar que os clientes retiraram 9,5% de seus depósitos totais após a falência da First Republic em 1º de maio.Todos esses bancos compartilham um status comum como credor “regional” ou “específico do setor”. As diferenças entre eles e a variedade grande demais para falhar se resumem a muito mais do que apenas tamanho. Grandes bancos como JPMorgan Chase, Citi, Bank of America ou Wells Fargo são conglomerados financeiros do tipo “tamanho único”, diz Robert Hockett, professor de direito e especialista em finanças públicas da Cornell University. “Eles basicamente tendem a transformar tudo em negociação de valores mobiliários.”Esses bancos às vezes são conhecidos como “G-SIBs” ou “bancos globais sistemicamente importantes”.Como tal, eles estão tipicamente muito mais interessados ​​em investir no exterior e nos mercados de capitais globais do que na produção doméstica, explica Hockett.As pequenas empresas, que empregam cerca de metade dos trabalhadores do setor privado nos Estados Unidos, preferem, em sua esmagadora maioria, operar com credores pequenos ou médios porque escolhem o atendimento ao cliente.“Capital do paciente”Bancos regionais e pequenos também tendem a desenvolver conhecimentos nos quais as empresas confiam.Veja o Silicon Valley Bank, o credor de startups de tecnologia na Área da Baía de São Francisco antes de ser derrubado por uma corrida frenética do banco em 10 de março.Apesar do que Hockett descreveu como erros gerenciais “tolos”, o principal negócio do banco – fornecer financiamento para novas empresas que não receberia atenção de um banco nacional maior – é exatamente o tipo de atividade que os formuladores de políticas desejam incentivar.“Eles eram investidores clássicos do que às vezes chamamos de capital ‘paciente’, o que significa que disponibilizavam dinheiro para startups mesmo quando elas não prometiam nenhum lucro até três ou quatro anos depois”, disse Hockett.Essa especialização, ironicamente, agora faz parte do dilema que os bancos enfrentam.Por definição, os bancos regionais são mais especializados e focados. Em outras palavras, eles são menos diversificados em suas participações, o que é em parte o motivo pelo qual tantos deles se acumularam em títulos do Tesouro dos EUA – “o mais enfadonho de todos os investimentos possíveis”, aponta o professor.Esses ativos chatos e extremamente seguros perderam valor como resultado dos agressivos aumentos das taxas de juros do Federal Reserve ao longo do ano, deixando dezenas de bancos sentados em uma montanha de perdas não realizadas.Essas perdas de papel não são um problema, a menos que todos os clientes de repente queiram o dinheiro de volta e, como consequência, esses bancos tenham que vender ativos para obter dinheiro.No caso do SVB, como a maioria de seus clientes mantinha depósitos acima do limite de US$ 250 mil do seguro FDIC, a corrida aos bancos foi fatal.Detendo o pânicoHockett e outros argumentam que é hora de eliminar, ou pelo menos suspender, o limite de US$ 250 mil no seguro de depósito e, assim, parar o pânico que faz com que os depositantes fujam.Essa ideia ganhou um impulso extra no início deste mês, quando o próprio FDIC divulgou um relatório defendendo um aumento no limite do seguro de depósito para contas de pagamento comerciais. Os legisladores em DC estão em negociações para aumentar o limite, embora não esteja claro se o Congresso agirá.Sem aumentar o limite, Hockett argumenta, há o risco de deixar os bancos de Wall Street engolir sua concorrência menor quando esses credores regionais falirem.Afinal, o JPMorgan – que se tornou o maior banco dos Estados Unidos depois de absorver o Washington Mutual e o Bear Stearns na crise financeira de 2008 – conseguiu crescer ainda mais depois de concordar em comprar a maior parte dos ativos do First Republic a baixo custo.“Infelizmente, acho que o que estamos fazendo agora é essencialmente confrontar as startups do futuro com uma espécie de escolha de Hobson”, diz destaca o professor da Cornell University.“Podemos dizer: ‘Ok, você pode continuar bancando com bancos específicos do setor que se especializam e que são bons em entender suas necessidades, riscos, vulnerabilidades e coisas do gênero’. Mas se fizer isso, existe a possibilidade de perder suas contas de transações porque elas não estão seguradas acima de um quarto de milhão de dólares.”A outra opção: jogar pelo seguro colocando todo o seu dinheiro em uma instituição de Wall Street de tamanho único como o JPMorgan Chase e perder a experiência.“Não há como financiar produção, startups e pequenos negócios em todas as regiões do país se os únicos bancos que temos são alguns bancos gigantescos localizados em Wall Street ou San Francisco”, diz Hockett.Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.versão original Compartilhe: