Pular para o conteúdo

Petróleo fecha em queda, enfraquecido por preocupações com demanda e temores de recessão nos EUA

O petróleo fechou em queda nesta quarta-feira (10), enfraquecido diante de incertezas sobre a demanda da commodity, após aumento inesperado dos estoques nos Estados Unidos e por temores de recessão na maior economia do mundo.Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para junho fechou em queda de 1,56% (-US$ 1,15), a US$ 72,56 por barril, enquanto o Brent para julho, negociado na Intercontinental Exchange (ICE), fechou em queda de 1,33% (-US$ 1,03), a US$ 76,41 por barril. O enfraquecimento do dólar no exterior na esteira da divulgação da inflação ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos EUA ajudou o petróleo a reduzir perdas, contudo, não o bastante para impulsionar os preços da commodity ao território positivo.Os contratos mais líquidos encerraram o pregão devolvendo parte dos ganhos obtidos nas últimas três sessões.Para a Capital Economics, as preocupações persistentes com a demanda devem limitar ganhos do petróleo por enquanto.A consultoria observa que, mesmo com a alta nas últimas sessões, o WTI e o Brent ainda estão em nível inferior ao de duas semanas atrás e devem permanecer assim nas próximas semanas.“Afinal, projetamos que a economia dos Estados Unidos deve escorregar para uma recessão nos próximos meses”, avaliou a Capital.A queda do petróleo reflete que esses “temores sobre uma recessão da economia americana ainda não foram precificados nos mercados de energia”, analisa o TD Securities.No entanto, o banco de investimentos projeta que o comprometimento dos Estados Unidos em reabastecer as Reservas Estratégicas Nacionais de Petróleo (SPR, na sigla em inglês) deve oferecer algum suporte para a commodity, apesar da cautela de investidores.Nesta quarta, o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) americano mostrou um aumento inesperado nos estoques de petróleo, de 2,951 milhões de barris, a 462,584 milhões de barris, enquanto especialistas consultados pelo Wall Street Journal (WSJ) esperavam queda de 800 mil barris.O documento também revelou que foram retirados 2,924 milhões de barris das SPRs, em um movimento do governo dos EUA para cumprir a venda de 26 milhões de barris ao mercado, o que deve acontecer até 30 de junho, segundo um acordo fechado com o Congresso americano em 2015.No noticiário, a petrolífera CVX.N da Chevron na Venezuela inicia no próximo mês uma nova fase para impulsionar a produção, com o objetivo de acelerar um plano para recuperar toda a dívida de US$ 3 bilhões do membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) até o final de 2025, disseram quatro pessoas próximas ao assunto à Reuters.Além disso, a Tourmaline Oil retomou suas operações no Canadá, após incêndios na província de Alberta terem prejudicado sua produção, segundo o Wall Street Journal. Compartilhe: