Pular para o conteúdo

Membros do Fed estão ficando céticos sobre a suspensão do aumento de juros

Foi uma semana atarefada de compromissos públicos para os principais responsáveis pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA). Uma coisa ficou clara: está se intensificando o debate sobre a possibilidade de uma nova alta ou de uma pausa na próxima reunião.Alguns responsáveis estão preocupados com o fato de a inflação não estar arrefecendo suficientemente depressa, o que poderia levar a uma 11ª subida consecutiva das taxas de juros, quando os responsáveis pela política monetária se reunirem em junho.As autoridades não expressaram preocupação com a deterioração acentuada das condições de crédito e alguns disseram que continuam abertos a uma pausa.“Até agora, os dados continuam a apoiar a opinião do comitê de que a redução da inflação levará algum tempo”, disse o presidente do Fed, Jerome Powell, numa discussão moderada com o antigo presidente do banco central, Ben Bernanke. No entanto, ele observou que há uma incerteza persistente sobre o quanto a demanda será corroída por condições de crédito mais apertadas e os efeitos retardatários do aumento das taxas de juros. Wall Street entendeu que isso significa que uma pausa está em cima da mesa.No início deste mês, os funcionários da Fed votaram unanimemente no sentido de aumentar a taxa de juro de referência em 0,25 ponto percentual, para um intervalo de 5% — 5,25%, ao mesmo tempo que sinalizaram uma possível pausa.Em março de 2022, o Fed lançou a sua campanha de aumento das taxas mais agressiva desde a década de 1980 para combater a inflação que se tem mantido teimosamente elevada.Embora os aumentos de preços tenham esfriado nos últimos meses, alguns funcionários questionaram esta semana se a economia está caminhando para uma inflação de 2%.“Mantenho o espírito aberto e acompanho de perto a evolução da economia enquanto nos dirigimos para a próxima reunião em meados de junho”, afirmou a presidente do Fed de Dallas, Lorie Logan, numa conferência realizada na quinta-feira (18), no no Texas.“Continuo preocupado se a inflação está caindo rápido o suficiente”, disse. Logan é membro votante do comitê do Fed que decide as taxas de juro.Pausar a subida das taxas como resposta a receios de recessão faz lembrar a estratégia “para-e-vai” que o Fed utilizou na década de 1970, quando o banco central alternava entre aumentar as taxas para afastar a inflação e parar para apoiar o crescimento ao mesmo tempo.O Fed não foi bem sucedido em nenhum dos dois casos, e a inflação se fixou em níveis elevados.A inflação continua a ser um espinho para o FedO combate à inflação continua a ser a principal prioridade da Fed, mesmo após a rápida subida das taxas ter levado ao colapso de três bancos nos últimos meses.Os responsáveis do Fed descrevem o setor como ainda “sólido e resistente”, e votaram duas vezes a favor da subida das taxas desde o colapso do Silicon Valley Bank, em março, e a falência do First Republic Bank poucos dias antes da reunião de maio.Mas a instabilidade no setor bancário levou a um certo aperto nas condições de crédito, o que, dizem os economistas, pode desempenhar essencialmente o mesmo papel que um aumento de juros ao desacelerar o investimento.“O impacto dos 500 pontos-base que fizemos no ano passado ainda está para vir, e se acrescentarmos o fato de as condições de crédito serem muito restritivas, penso que devemos estar mais atentos”, disse o presidente da Fed de Chicago, Austan Goolsbee, numa entrevista recente à CNBC. “Temos de ter isso em conta, e a única forma de o fazer é sentar e observar.”O índice de inflação preferido da Fed, o índice de Despesas de Consumo Pessoais (PCE, na sigla em inglês), apresentou apenas um ligeiro declínio em março, com um aumento de 4,6% em relação há um ano, e uma ligeira redução em relação à taxa de crescimento de 4,7% registada em fevereiro. Do mesmo modo, o Índice de Preços no Consumidor (CPI) também mostrou apenas uma desaceleração modesta na sua leitura em abril.“Espero desinflação, mas tem sido mais lenta do que eu gostaria, e pode justificar a contratação de algum seguro, aumentando as taxas um pouco mais para garantir que realmente controlemos a inflação”, disse o presidente do Fed St. Louis, James Bullard, numa entrevista ao Financial Times na quinta-feira. Bullard está votando nas decisões relativas às taxas de juro este ano.Mercado de trabalho em expansãoUm mercado de trabalho forte alimenta os gastos do consumidor e o Fed tem tentado domar a inflação reduzindo a demanda. Os empregadores criaram robustos 253 mil empregos em abril e os ganhos médios por hora aumentaram 0,5% naquele mês.O Índice de Custo do Emprego (ECI) mostrou que os ganhos com remuneração aumentaram no primeiro trimestre.“Nós, do Federal Reserve, provavelmente temos mais trabalho a fazer para tentar reduzir a inflação”, disse o presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, membro votante, na segunda-feira, em uma conferência em Minnesota.“O mercado de trabalho ainda está aquecido e não vimos muito abrandamento. Então, isso me diz que temos um longo caminho a percorrer antes de reduzirmos a inflação.”Powell repetiu uma visão semelhante sobre o papel do mercado de trabalho nas pressões de preços resilientes.“Acho que a ociosidade do mercado de trabalho provavelmente será um fator importante para a inflação daqui para frente”, disse ele na sexta-feira.Os dados que avaliam o mercado de trabalho devem ser divulgados em algumas semanas e um relatório da CPI no primeiro dia da reunião de dois dias do Fed, em junho, informarão ainda mais as autoridades sobre a trajetória da inflação e da economia em geral. Claro, o pensamento das autoridades do Fed sobre a política monetária pode mudar drasticamente se os Estados Unidos deixarem de pagar sua dívida, o que pode acontecer já em 1º de junho.“Você tem dúvidas sobre o teto da dívida e qual o impacto que isso pode ter. Você tem dúvidas sobre o aperto de crédito e o quão significativo isso pode ser, então acho que isso dá tempo e opcionalidade para dizer que ainda há mais coisas que precisamos fazer, ou se está bem esperar, e nós vamos esperar um pouco”, disse o presidente do Fed de Richmond, Thomas Barkin, à Bloomberg em entrevista na terça-feira.As autoridades do Fed sempre mencionam que suas opiniões sobre as taxas de juros dependem em grande parte do que os indicadores econômicos mostram, resistindo a assumir uma posição absoluta sobre como votarão.Powell disse na sexta-feira que a comunicação sobre as futuras ações de política monetária do banco central às vezes “vem com um custo de má interpretação e também pode limitar a flexibilidade”.“Percorremos um longo caminho no aperto de política e a postura da política é restritiva e enfrentamos incertezas sobre os efeitos defasados de nosso aperto até agora e sobre a extensão do aperto de crédito devido aos recentes estresses bancários”, disse Powell.“Portanto, hoje, nossa orientação se limita a identificar os fatores que monitoraremos à medida que avaliamos até que ponto o endurecimento adicional da política pode ser apropriado para retornar a inflação a 2% ao longo do tempo.”Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.versão original Compartilhe: