Pular para o conteúdo

Haddad leva tema Argentina ao G-7 e cita preocupações à Yellen

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, pediu ajuda à secretária do Tesouro americano, Janet Yellen, no socorro à Argentina.Em reunião bilateral em Niigata, no Japão, na véspera do G-7 Financeiro, Haddad disse à contraparte americana que se trata de uma questão humanitária. Ele ainda destacou que a união entre Brasil e Estados Unidos nesse tema seria um facilitador para as negociações.Haddad disse que o Brasil está atento à situação na Argentina, onde a seca pode reduzir as exportações em 20%.“Estamos muito preocupados com o que está acontecendo com a nossa vizinha Argentina. E uma das coisas que me traz ao G-7, por recomendação do presidente Lula, é sensibilizar o G-7 e o G-20 para as condições específicas da Argentina nesse momento. Nós trazemos essa preocupação por uma questão humanitária bastante evidente”, declarou o ministro da Fazenda a Yellen, na parte da reunião que pôde ser acompanhada pela imprensa. Haddad relatou à secretária do Tesouro americano a falta de divisas na Argentina “por razões históricas que vinham se acumulando” e as secas recentes, que afetaram as exportações.Também destacou que é ano eleitoral no país vizinho. “Estamos preocupados com o destino político na Argentina”, afirmou o ministro a Yellen, ao citar a postura violenta de grupos de extrema-direita na América do Sul.Haddad ainda defendeu uma maior integração nas Américas, e que o uso de moedas locais deveria ser mais incrementado em acordos comerciais.Após o encontro, que durou das 15h47 às 16h23, pelo horário do Japão, Haddad afirmou a jornalistas que Yellen “se surpreendeu” com o tema abordado na bilateral, a Argentina, e se comprometeu a analisar as considerações.O Japão, que detém a presidência rotativa do G7 este ano, convidou Brasil, Índia e Indonésia para participarem da reunião desta semana de ministros das Finanças e banqueiros centrais.Falando com repórteres após a reunião, Haddad disse que levantou a questão com Yellen porque a Argentina precisa da ajuda do Fundo Monetário Internacional (FMI). Os Estados Unidos são os maiores colaboradores do credor global.A intercessão brasileira em nome da economia argentina acontece semanas após o presidente da Argentina, Alberto Fernández, visitar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Palácio da Alvorada.Na ocasião, o petista se comprometeu a trabalhar para convencer o Fundo Monetário Internacional (FMI) a “tirar a faca do pescoço” da Argentina. “A solução para Argentina passa pelo FMI”, destacou Haddad.Para além da identificação ideológica, o governo brasileiro quer ajudar a Argentina no campo da economia em ano eleitoral para evitar uma queda nas exportações ao país vizinho que leve ao enfraquecimento da atividade nacional.Os dois países estudam formas de financiar as exportações à Argentina, mas esbarram na garantia à política creditícia.*Com informações de Reuters Compartilhe: