Pular para o conteúdo

Governo italiano convoca negociações de crise devido à alta no preço das massas

O governo da Itália convocou, na quinta-feira (11), negociações para investigar as razões por trás de um aumento nos preços das massas, um dos alimentos mais amados e culturalmente importantes do país.Adolfo Urso, um dos ministros do país, presidiu uma comissão de legisladores, produtores de massas e grupos de direitos do consumidor em Roma para discutir o que poderia ser feito para reduzir os preços das massas, que dispararam 17,5% em março em relação ao mesmo mês de 2022.A Inflação das massas moderou um pouco em abril, mas os preços ainda subiram 16,5% em 12 meses.Esse aumento foi mais do que o dobro da medida mais ampla da inflação de preços ao consumidor da Itália. Os preços das massas dispararam, apesar do preço do trigo – o principal ingrediente – ter caído nos últimos meses.Após as negociações de emergência, a comissão disse que os preços das massas “já mostravam os primeiros, embora fracos, sinais de [redução], um sinal de que nos próximos meses o custo das massas cairá significativamente”.Ele disse que continuará monitorando o mercado de perto para proteger os consumidores e garantir que reduções significativas no custo de energia e matérias-primas, como o trigo duro, sejam refletidas no preço de varejo das massas.Um porta-voz da Urso disse em comunicado na quarta-feira (10) que muitos produtores já haviam dado garantias de que os aumentos nos preços das massas eram apenas temporários e atribuíram os altos preços “à alienação de estoques [de massas] feitos quando o custo das matérias-primas era mais alto”.Este é um problema de importância nacional. O italiano médio consome cerca de 23 kg de macarrão por ano, disse Furio Truzzi, presidente da Assoutenti, um grupo de direitos do consumidor, em um comunicado no mês passado. É o mesmo peso de uma bagagem despachada padrão permitida em um voo normal e pesa pouco mais de 60 gramas diariamente.“A massa é um dos alimentos mais apreciados pelos italianos”, observou Truzzi. Mas a invasão da Ucrânia pela Rússia em fevereiro passado desencadeou um “tsunami” de preços altos no ano passado para algumas das matérias-primas necessárias para fazer macarrão, disse ele.“Hoje a situação parece diferente”, acrescentou Truzzi, observando que alguns custos de insumos caíram. “Pouca justificativa” para aumentos de preçosA Coldiretti, a maior associação de agricultores da Itália, disse que esses preços de varejo mais altos não se traduziram em maiores receitas para os agricultores de trigo duro, que estavam lutando para cobrir seus próprios custos.O preço do trigo duro — um tipo de trigo popular entre os fabricantes italianos de massas — caiu 30% desde maio de 2022. Fazer macarrão requer apenas misturar água com o trigo, disse o grupo, dando “pouca justificativa” para o grande aumento de preços no varejo.O grupo de agricultores acrescentou que, apesar do preço do trigo duro ser bastante uniforme em toda a Itália – cerca de 0,36 euros por quilo – o preço de varejo da massa variou amplamente em diferentes regiões.De acordo com uma análise da Assoutenti, encomendada pelo governo e publicada em abril, o preço médio de uma caixa de um quilo de macarrão Barilla, rigatonni e/ou penne — itens básicos em muitos armários italianos — subiu de 1,70 euros (US$ 1,86) para 2,13 euros (US$ 2,33) no ano até março, um aumento de mais de 25%.Mas os aumentos de preços flutuaram amplamente entre as regiões, com a província de Siena, na Toscana, registrando um aumento de mais de 58%, enquanto Alessandria, no noroeste da Itália, registrou um aumento de apenas 4,6%.A Barilla, de propriedade familiar, com sede em Parma, é a maior fabricante de massas do mundo, segundo a Reuters. Não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da CNN.Assoutenti, juntamente com Urso, sugeriram que os preços podem ter sido inflados artificialmente para aumentar os lucros, com as consequências da guerra na Ucrânia usadas como disfarce. Eles não culparam empresas específicas.Ivana Calò, porta-voz da Unione Italiana Food, que representa os produtores de alimentos, disse à CNN que o preço da massa nas prateleiras é muito influenciado pelo preço da energia, embalagem e logística.Esses insumos, disse Calò, aumentaram de preço, embora ela não tenha especificado em que período de tempo.Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.versão original Compartilhe: