Pular para o conteúdo

governo chinês tenta usar comida de rua para movimentar economia do país

Quando a China estava no meio de uma crise econômica induzida pela pandemia em 2020, o primeiro-ministro Li Keqiang divulgou a ideia de criar empregos, incentivando os vendedores ambulantes a abrirem lojas em todo o país.Essa proposta foi rapidamente rejeitada por associados próximos do líder Xi Jinping, que caracterizou o comércio tradicional como “anti-higiênico e incivilizado”.Três anos depois, as coisas mudaram.Em uma grande reversão de política, a “economia dos vendedores ambulantes” está voltando com muitas cidades suspendendo as restrições aos vendedores ambulantes e incentivando jovens desempregados a montar barracas ao ar livre para revitalizar a economia e aumentar o emprego.Shenzhen, o centro de alta tecnologia da China e a terceira cidade mais rica, anunciou na semana passada que suspenderá a proibição geral de vendedores ambulantes, permitindo que eles operem a partir do início de setembro em áreas designadas.Ele se junta a uma lista de grandes cidades que relaxaram as restrições este ano, incluindo Xangai, Hangzhou e Pequim, após anos de campanhas às vezes violentas contra a venda ambulante.As autoridades da cidade estão incentivando as pessoas a montar barracas ou carrinhos de rua em certas áreas, onde podem vender especialidades locais, lanches, roupas ou brinquedos.Analistas veem o relaxamento atual como uma medida desesperada do governo, já que o desemprego urbano aumentou para níveis preocupantes após três anos de restrições pandêmicas atingirem duramente as pequenas empresas. Uma repressão regulatória também eliminou dezenas de milhares de empregos nas indústrias de educação e tecnologia.“Parece que a liderança chinesa não consegue encontrar melhores maneiras de criar empregos e, assim, manter a estabilidade e a ordem do que encorajar os jovens a serem vendedores ambulantes”, disse Steve Tsang, diretor do SOAS China Institute na SOAS University of London.“Para trabalhadores ou graduados com habilidades para a era digital, assumir o comércio ambulante é um sinal de desespero, e não de pensamento criativo.”A taxa de desemprego urbano para jovens de 16 a 24 anos atingiu um recorde de 20,4% em abril, segundo dados divulgados pelo Departamento Nacional de Estatísticas na terça-feira (16).“Os problemas estruturais no emprego são proeminentes”, disse Fu Linghui, porta-voz do NBS, em entrevista coletiva.A taxa pode aumentar ainda mais, já que um recorde de 11,6 milhões de estudantes universitários deve se formar este ano. Sucesso viralA suspensão das restrições ocorreu depois que uma cidade industrial pouco conhecida se tornou uma sensação viral por suas barracas de churrasco ao ar livre, inspirando outras cidades a tentar copiar seu sucesso.Zibo, localizada na província de Shandong, no leste, é atualmente o ponto turístico mais badalado da China. Sua popularidade explodiu em março, depois que vídeos de seu churrasco barato se tornaram virais nas redes sociais.A sua principal iguaria são os pedaços de carne grelhada no espeto, quentes em brasas de carvão, servidos com pão sírio e pedaços de alho-poró local. Além das barganhas — uma refeição pode custar apenas 30 yuans (US$ 4,2) por pessoa — a cidade é conhecida por sua hospitalidade.“A comida é muito barata”, disse Jiang Yaru, morador de Zibo que atualmente trabalha em Xangai. Ela foi para casa durante o feriado de primeiro de maio na semana passada, apenas para “provar o churrasco e se divertir”. As churrascarias que ela visitou estavam todas lotadas.“As pessoas locais são muito hospitaleiras e honestas com estranhos”, disse ela à CNN. “Esta é uma experiência nova para muitos visitantes, porque outras cidades turísticas podem não tê-los tratado bem.”Tantos turistas afluíram a Zibo, agora apelidada de capital do churrasco ao ar livre da China, que até as autoridades locais de turismo pediram aos visitantes que fossem a outro lugar.Graças à “mania de churrasco”, a corajosa cidade industrial registrou um crescimento de 4,7% no PIB no primeiro trimestre, impulsionado principalmente pelo varejo, turismo e gastronomia. O consumo aumentou 11% no mesmo período, revertendo a queda de 2% registrada nos dois primeiros meses do ano.A transição noturna da cidade de remanso industrial para destino imperdível surpreendeu o país. Vários governos municipais enviaram funcionários a Zibo para estudar com os locais e tentar replicar seu sucesso.Então, pode a “economia estagnada” iniciar o pivô do país para um modelo de crescimento indescritível liderado pelo consumidor?“Parece-me que Zibo fez de uma necessidade uma virtude”, disse Tsang. “Seu sucesso pode refletir a eficácia de uma ‘novidade’, mas também um sinal de que as pessoas se sentem mais pobres. Quem realmente prefere comida de rua a um restaurante com estrela Michelin, se puder pagar pelo último? Alguns podem, mas a maioria não.”Comida de rua “não salvará a economia da China”A popularidade do Zibo sugere que as pessoas querem viajar e desfrutar de novas experiências, mas estão cuidando de suas carteiras, já que a recuperação econômica da China parece irregular.“O fenômeno Zibo é uma combinação de FOMO [sigla em inglês para “medo de ficar de fora” – fear of missing out] entre os municípios chineses e pressão de cima para baixo do [Partido Comunista] para lidar com o desemprego e a angústia dos jovens”, disse Alex Capri, professor sênior da NUS Business School.A economia da China está enfrentando uma série crescente de desafios. O crucial mercado imobiliário está atolado em sua pior recessão já registrada. A confiança empresarial despencou depois que Xi lançou um ataque regulatório contra as indústrias de tecnologia e educação. As empresas globais foram abaladas por ataques a consultorias internacionais.O investimento estrangeiro na China caiu. E as relações entre os Estados Unidos e a China estão em seu ponto mais baixo em décadas, levando a tensões crescentes em tecnologia e investimento.A piora das perspectivas econômicas levou os principais líderes a adotar um tom mais conciliador em relação a empresas privadas e pequenas e médias empresas, que contribuem com mais de 60% do PIB da China e mais de 80% do emprego.Luo Wen, chefe da Administração Estatal de Regulamentação do Mercado, reguladora do mercado do país, ofereceu no mês passado mais apoio para “negócios individuais”, como vendedores ambulantes, por meio dos sistemas tributário e previdenciário.Em uma clara mudança na retórica oficial, a mídia estatal publicou histórias ou vídeos sensacionalistas de como alguns jovens empresários enriqueceram operando barracas nos mercados noturnos, convidando jovens desempregados a se tornarem vendedores ambulantes.“Parece que o PCC também espera pegar um raio em uma garrafa e talvez explorar uma nova veia de empreendedorismo de pequena escala que pode repelir uma onda crescente de cinismo entre os graduados desempregados”, disse Capri.O comércio informal pode reduzir o desemprego temporariamente e dar um impulso às pessoas que se sentem mais pobres, mas “não salvará a economia da China”, disse Tsang.Xi não gostou da ideiaO presidente chinês, Xi Jinping, se opôs ao levantamento das restrições aos vendedores ambulantes em Pequim, sinalizando divisões dentro do governo sobre uma mudança de política destinada a combater o aumento do desemprego.Em uma visita recente à Nova Área de Xiongan, uma cidade ao sul de Pequim, Xi revelou de forma incomum suas opiniões pessoais sobre a “economia das barracas de rua”, de acordo com um relatório no início desta semana da agência de notícias estatal chinesa Xinhua.“A capital é antes de tudo um centro político, não uma ‘mistura’, onde não são permitidas ‘fábricas em becos’ e a ‘economia das barracas de rua’”, disse ele.É a primeira vez que o principal líder chinês se manifesta publicamente contra os recentes esforços para reviver a “economia das barracas de rua”, uma política que muitas cidades têm promovido como uma forma de revigorar o pequeno empreendedorismo e criar empregos enquanto o desemprego entre os jovens urbanos atinge níveis recordes.Não está claro se a capital agora deve obedecer às opiniões de Xi e proibir os vendedores ambulantes mais uma vez.Analistas disseram que a venda ambulante era algo que Xi não gostava, visto que manchava a imagem de uma China bem-sucedida e moderna. A ideia de vendedores inundando as ruas das metrópoles também estava em desacordo com sua visão da China como uma superpotência avançada de alta tecnologia.Mas a recente reversão da política foi feita em um cenário de crescentes desafios enfrentados pela segunda maior economia do mundo.A taxa de desemprego do país para jovens de 16 a 24 anos atingiu um recorde de 20,4% no mês passado, após três anos de restrições pandêmicas atingirem duramente as pequenas empresas. Uma repressão regulatória também eliminou dezenas de milhares de empregos nas indústrias de educação e tecnologia.A venda ambulante, segundo analistas, é uma forma pragmática de lidar com questões prementes no curto prazo, pois permite que pessoas desempregadas ou subempregadas ganhem a vida.Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.versão original Compartilhe: