Pular para o conteúdo

Como os EUA passaram de uma economia em declínio para um cenário “contraditório“

Nos últimos anos, a economia dos Estados Unidos foi de quase “quebra” para “bizarra”. Tudo começou três anos atrás, quando a pandemia de Covid-19 derrubou a economia norte-americana, sem nenhum manual para a recuperação agressiva que se seguiria.Paralisações e surtos de doenças interromperam as cadeias de suprimentos globais, levando à maior inflação em 40 anos e (eventualmente) a aumentos agressivos das taxas de juros dos bancos centrais globais. Economistas vêm prevendo há meses que uma recessão está chegando no país. No entanto, a economia atual dos EUA está crescendo, o mercado de trabalho está forte e o consumidor ainda está gastando. Com isso, nascem as contradições.As manchetes de jornais falam de demissões em massa – do Walmart, Disney, Amazon, 3M, General Motors e Meta – mas, no geral, as contratações norte-americanas aumentaram em abril. A economia criou surpreendentes 1,2 milhão de empregos este ano e a taxa de desemprego é a mais baixa desde 1969.Apesar dos deslizes do Vale do Silício, ainda há muitas contratações acontecendo em tecnologia, especialmente em serviços e design de sistemas de computador. E os canteiros de obras estão em alta. O governo informou um recorde de 7,9 milhões de pessoas empregadas em trabalhos de construção em abril.Após décadas de fraco crescimento salarial, os trabalhadores tiveram os melhores ganhos em uma geração, especialmente aqueles que estão na parte inferior da escala salarial. Agora que a inflação parece estar fervendo, isso significa que menos desse aumento salarial cobrirá a inflação mais alta.Esses salários mais altos podem complicar a luta contra a inflação do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), mas também podem estar sustentando os gastos do consumidor, ajudando a economia a evitar uma recessão.A narrativa parece mudar a cada semana, naquele que foi o período de recessão mais longo da história. Os mercados de ações tiveram um longo inverno na esperança de que a economia estivesse a caminho de um possível “aterrissagem suave”.O crescimento econômico e a inflação esfriaram, sem um aumento correspondente no desemprego. Enquanto isso, o Fed parece estar perto do fim de seu ciclo de alta de juros. O Goldman Sachs estima as chances de recessão em 35% e o presidente do Fed, Jerome Powell, disse na semana passada que a economia ainda pode contornar uma recessão.“Evitar uma recessão é, na minha opinião, mais provável do que ter uma recessão”, disse Powell. “Mas também não descarto isso. É possível que tenhamos uma recessão leve”, disse ele a repórteres em entrevista coletiva após a última decisão do banco central sobre os juros.Dois fatores surgiram para desafiar a narrativa de “aterrissagem suave”: uma crise bancária regional desencadeada pelo Silicon Valley Bank e uma crise de teto de dívida fabricada devido a disputas políticas.A tensão nos bancos regionais parece ter se estabilizado (por enquanto), mas o drama partidário sobre o pagamento das contas do país apresenta riscos enormes.Os EUA podem deixar de cumprir suas obrigações já em 1º de junho se o Congresso não abordar o limite da dívida antes disso, disse a secretária do Tesouro, Janet Yellen, na segunda-feira.No entanto, os mercados mal se encolheram. O S&P 500 subiu quase 8% este ano e o Nasdaq subiu 17%.“Acho que serão algumas semanas difíceis”, disse Seema Shah, estrategista-chefe global da Principal Global Investors. “Enquanto o mercado de ações estiver bastante firme, há muito pouca pressão sobre o Congresso para chegar a algum acordo. Então você precisa de estações quase de pânico para empurrá-los para além dessa linha, que foi o que aconteceu em 2011 e 2013.”Em 2011, o Congresso chegou a um acordo para aumentar o teto da dívida dois dias antes da data em que o dinheiro estimado pelo Tesouro acabaria. Isso desencadeou a pior semana para os mercados financeiros desde a crise financeira de 2008 e rendeu aos Estados Unidos seu primeiro e único rebaixamento de crédito. O debate sobre o aumento do limite da dívida em 2013 forçou uma paralisação do governo.Desta vez, “os mercados financeiros não demonstraram muita ansiedade”, disse Greg Valliere, estrategista-chefe de políticas dos EUA da AGF Investments. “Talvez os rendimentos do mercado de títulos do Tesouro tenham subido, mas acho que para o mercado de ações em geral há um sentimento de que isso será resolvido no último minuto, o que vimos no passado. Mas isso é diferente. Acho que os militantes na Câmara são um fator novo aqui e que os mercados sejam tão otimistas para mim não se justifica.”Essencialmente, muitos em Wall Street não esperam que os legisladores entendam a urgência de aumentar o teto da dívida até que as contas de aposentadoria de seus eleitores sejam marteladas primeiro.Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.versão original Compartilhe: