Pular para o conteúdo

Bolsas da Europa fecham em alta, repercutindo alívio com teto da dívida dos EUA

As bolsas da Europa fecharam na maioria em alta nesta quinta-feira (18) repercutindo o alívio dos mercados com a possibilidade de calote pelo governo norte-americano, já que autoridades se manifestaram no sentido de que o tema caminha para uma acordo. Além disso, investidores observam ainda as perspectivas para os próximos passos da política monetária dos principais bancos centrais europeus.O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,44%, a 466,01 pontos. O presidente dos EUA, Joe Biden, e o presidente da Câmara dos Representantes, Kevin McCarthy, reiterarem a determinação de fechar em breve um acordo para elevar o teto da dívida americana e evitar uma situação de calote.Segundo McCarthy, é possível que haja um acordo “até o fim da semana”. Existe ainda um debate entre governistas sobre eventualmente Biden evocar a 14ª Emenda da Constituição para levantar por conta o teto da dívida, contornando o Congresso e assim evitando um default, mas não está claro se a alternativa poderia ser usada, já que acarretaria risco de litígio judicial sobre o tema.O vice-presidente doBanco Central Europeu (BCE), Luis de Guindos, reiterou que as próximas decisões de juros da instituição irão depender da evolução do núcleo da inflação na  zona do euro, assim como da atualização das condições econômicas.No caso da Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), uma série de dirigentes fez declarações públicas nesta quinta. Para o analista da Oanda Craig Erlam, os membros do conselho do BoE ainda estão confiantes em sua avaliação atual, e os mercados parecem despreocupados com uma suposta espiral de preços de salários, continuando a precificar em um, talvez dois, aumentos este ano. “As coisas devem ficar muito mais claras muito em breve”, avalia. Em Londres, o FTSE 100 subiu 0,25%, a 7.742,30 pontos.Para o analista, os dados dos EUA divulgados nesta quinta não farão muito para mudar a visão das pessoas sobre a situação econômica do país no momento. Os dados de pedidos de auxílio-desemprego indicam mais resiliência do que o previsto, mas a tendência continua alta e provavelmente irá acelerar, indica.Em Frankfurt, o DAX subiu 1,33%, a 16.163,36 pontos. Em Paris, o CAC 40 avançou 0,64%, a 7.446,89 pontos. Em Milão, o FTSE MIB teve alta de 0,14%, a 27.235,65 pontos. Em Madri, o Ibex 35 subiu 0,17%, a 9.226,80 pontos. E, na contramão, o PSI 20 caiu 0,55% em Lisboa. Compartilhe: